“Há que trabalhar em soluções que ajudem as empresas a ganhar escala”

A abertura do segundo workshop do projeto Exportadoras Outstanding foi feita vai pelo ex-primeiro ministro e economista Pedro Passos Coelho com uma intervenção dedicada ao tema: “As Eleições Europeias e as suas consequências para as empresas”. No dia em que foi eleito o novo presidente do Parlamento Europeu, Passos Coelho falou sobre o debate europeu em curso e chamou a atenção para a necessidade de existir uma alternativa “plural e não monocromática” para combater o populismo.
Neste workshop sobre “Eleições Europeias. Políticas Públicas de Crescimento, Desenvolvimento e Inovação Empresarial”, que aconteceu na NERLEI, Associação Empresarial da Região de Leiria, no dia 3 de julho, estiveram presentes várias das empresas parceiras do projeto Exportadoras Outstanding, uma iniciativa do Forum para a Competitividade de apoio à exportação e internacionalização.

Luís Castro e Almeida, Administrador Delegado do BBVA em Portugal, questionou o ex-primeiro-ministro sobre o facto das políticas públicas serem muito direcionadas para as pequenas empresas. Fica a ideia de que o nosso país tem uma agenda totalmente oposta à agenda europeia, que vai no sentido das empresas crescerem e ganharem dimensão, ao contrário do que acontece por cá”, referiu. Pedro Passos Coelho concordou e alertou para esse risco: “Em Portugal ainda achamos que as PME são aquelas empresas que fixam o emprego, por isso a maioria das políticas estão dirigidas para isso. Considero que, em vez de estarmos preocupados com o emprego, devíamos estar mais preocupados com os trabalhadores, ou seja, permitir a evolução e valorização das pessoas. A obsessão com o emprego e não com o trabalhador torna o sistema mais lento, pesado e menos capaz. Há que trabalhar em soluções que ajudem as empresas a ganhar escala”.

O ex-primeiro-ministro considerou que um dos principais problemas que constrangem a atividade económica nos próximos tempos é a incerteza ligada ao Brexit. “O Reino Unido é, por definição, um país que luta pela simplificação e regras mais claras, nesse sentido preocupa-me a saída do Reino Unido da EU”.
Em relação à economia portuguesa, Pedro Passos Coelho criticou o facto de Portugal continuar “a seguir imprudentemente políticas pró-cíclicas”. “Vejo com muita pena que em 2019 ou 2020 se regresse aos desequilíbrios da balança comercial depois dos excedentes que se atingiram a partir de 2015”, afirmou.
 Vítor Bento, economista e Membro do Conselho Consultivo do Forum para a Competitividade, alertou para o facto de a Europa ser um “buraco negro” a nível tecnológico: “O mundo tecnológico está a ser dominado pelos EUA, a Europa está dependente disto e nunca conseguiu criar uma alternativa”. Ideia reforçada por Pedro Passos Coelho: “Depois de ter anunciado o objetivo de estar na fronteira do conhecimento, a Europa chegou ao fim da década de 90 do século passado com um enorme atraso em relação aos EUA e Japão e isto é um problema claramente identificado e que se mantém”.

No encerramento desta sessão de trabalho, o Presidente do Forum para a Competitividade, Pedro Ferraz da Costa, sublinhou a necessidade de reforçar o que é positivo e uma estabilidade na União Europeia, ao contrário de alimentar um “clima de guerra constante que não beneficia ninguém”. Defendeu a existência de uma delegação de empresas portuguesas em Bruxelas para estabelecerem uma ponte entre as necessidades, a realidade e as políticas nacionais com as políticas e medidas tomadas a nível europeu.
Pedro Ferraz da Costa apontou ainda a questão da disponibilidade de mão de obra a nível geral e a nível de quadros altamente qualificados em Portugal, destacando a importância que deve ser dada à educação: “Empurrar os alunos menos bons para um sistema de ensino profissional é uma forma errada de ingresso, à partida, que vai debilitar a qualidade desse tipo de ensino. O modelo de educação e formação deve ser revisto e melhorado”.

Estiveram presentes neste workshop várias empresas parceiras, patrocinadoras e participantes no projeto Exportadoras Outstanding: BBVA Portugal, Caetano Bus, Allianz Portugal, Tabaqueira, Transportes Pascoal e Respol.