São necessários mais apoios para as empresas europeias serem competitivas

A Caetano Bus, uma das empresas patrocinadoras do projeto Exportadoras Outstanding, põe no mercado externo 90% do que produz, está na vanguarda da inovação a nível da mobilidade e de soluções menos poluentes e mais sustentáveis. Jorge Pinto, CEO da empresa, apontou as incongruências e dificuldades com que se depara em matéria de competitividade: “Na China há subsídios à produção de que nós, na Europa, não dispomos. Há mecanismos de apoio que existem noutros mercados que na Europa não existem, o que penaliza e torna menos competitivas as nossas empresas”, referiu no workshop das Exportadoras Outstanding que aconteceu no dia 3 de julho, em Leiria, acrescentando que há empresas chinesas que beneficiam de subsídios do Estado Chinês e, ainda assim, podem participar em concursos apoiados por fundos europeus. O CEO da Caetano Bus sublinhou que esta abertura da Europa à economia chinesa não é recíproca e causa um enorme constrangimento a nível da competitividade das empresas e do setor exportador.

Numa mesa redonda moderada por António Poças, Presidente da NERLEI, a Allianz traçou o panorama de um setor que tem sofrido enormes mudanças. Luís Ferreira, do Comité Executivo da Allianz Portugal, explicou que uma das questões que afeta as políticas de seguros é o envelhecimento populacional, que obriga a uma adaptação dos modelos dos produtos disponibilizados.

A nível de políticas públicas, referiu a questão fiscal como muito importante para o setor, seja nos impostos que incidem sobre a atividade, seja nas alterações dos benefícios fiscais associados aos seguros. E alertou ainda para um facto que considerou problemático: “A forma como a nova lei europeia da proteção de dados foi transposta para a lei nacional condiciona muito a atuação dos seguros. Se cumprirmos exatamente o que diz a lei, isso vai impedir as seguradoras de venderem seguros de saúde. Isto se não houver regulamentação e alterações neste sentido”.

A Tabaqueira é outra empresa patrocinadora do projeto que também esteve presente neste segundo workshop. Miguel Matos, Diretor Geral da Tabaqueira, apresentou os principais objetivos da empresa para os próximos anos: converter 2 milhões de fumadores portugueses para o consumo de produtos menos nocivos e manter a empresa competitiva na atividade exportadora. A Tabaqueira, que exporta 80% da sua produção, tem vindo a investir em produtos sem combustão, menos nocivos para a saúde e para o ambiente. “Pode parecer contraditório, mas a nossa ambição é deixar de vender cigarros. Sublinhamos sempre que o ideal é não fumar, mas quem não o quer deixar de fazer, pode optar pelo consumo de produtos sem combustão e igualmente atrativos para o fumador”, explicou Miguel Matos. “Queremos que o nosso contributo para a saúde pública seja positivo e assumimos um compromisso de sustentabilidade mediante a menor nocividade dos nossos produtos”, acrescentou.

O projeto Exportadoras Outstanding tem vindo a captar cada vez mais empresas como participantes, algumas das quais estiveram presentes neste workshop. Gabriel Oliveira, Administrador Executivo da Transportes Pascoal chamou a atenção para as diferenças entre Portugal e Espanha: “Constatamos, comparativamente com empresas espanholas, que temos constrangimentos que eles não têm, como a questão das portagens e do estado de algumas vias. Por exemplo, na zona de Monfortinho, os transportes pesados têm que atravessar uma pequena aldeia em estrada não alcatroada. Estamos a falar de 5 ou 10 quilómetros de alcatrão, mas que condiciona grandemente as exportações das empresas do norte do distrito de Leira. É este tipo de dificuldades com que nos deparamos e que nos torna menos competitivos em relação às empresas espanholas”.

A Respol é uma empresa de resinas que exporta para mais de 40 países. Rui Brogueira, CEO da empresa criticou o aumento da carga fiscal: “Pergunto se não seria possível agilizar esta carga fiscal e alguns custos de contexto, como os custos energéticos. Isso tornaria as empresas mais competitivas”. Fica a pergunta que, seguramente, estará nas preocupações de muitos outros empresários.

Mesa redonda